CCBB Rio

Cartaz do The Darjeeling Limited

Abre parênteses. Me lembro de um dos dias que mais ri na vida. Sim, porque são estes os dias que a gente tem que realmente lembrar. Estava com dois grandes amigos e até hoje me pergunto se alguém colocou algum alucinógino no nosso almoço. No fim do dia os convenci a ir ao cinema ver Viagem a Darjeeling. Eles, pensando que se tratava de um documentário israelense, entraram no escurinho do cinema desconfiados.  Fecha parênteses. Semana passada, chegando no CCBB do Rio, me deparei com uma exposição sobre a Índia. Me emocionei na sala dedicada ao Mahatma Gandhi. Eu sabia que ele tinha sido advogado e lutado pela libertação da Índia, mas não tinha a dimensão do que aquele homem franzino e com uma sabedoria incrível, tinha feito. Andando um pouquinho, em uma outra ala da exposição, li algo sobre Darjeeling e, na hora, lembrei de um Passagem Para (programa ótimo do Nachbin) e daquele domingo feliz, fechado com chave de ouro em um dos cinemas da Augusta em São Paulo.

Foto: Rogério Belorio | CCBB

 

 

 

 

 

 

 

São Paulo eu te amo

Hoje o dia foi para dizer “Oi São Paulo, eu te amo”. Primeira parada: Pinacoteca. Já de cara, as obras de Olafur Eliasson surpreenderam. O artista, nascido na Dinamarca em 1967, trabalha com muita luz, cor e reflexos. Take your time (2008) foi a que mais gostei: espelho inclinado pendurado no centro do teto que gira em torno do seu próprio eixo refletindo tudo o que estiver no espaço. Outra exposição que vai só até 06 de novembro e que adorei foi a do Saul Steinberg – As aventuras da linha. Em parceria com o Instituto Moreira Salles, 110 desenhos do artista gráfico são apresentados ao público. Algumas obras que estiveram em uma exposição organizada pelo MASP em 1952 estão presente. O traço do cara é genial. Imperdível. Bom, mas não parou por aí. Girondino, canto gregoriano e pedidos no mosteiro de São Bento, Talma de Freitas no CCBB, Edíficio Martinelli, Cervejaria São Jorge, Augusta, Cinema e boas risadas.

Take your time (2008) - Olafur Eliasson
Take your time (2008) - Olafur Eliasson
Os reflexos do Olafur Eliasson novamente.
Os reflexos do Olafur Eliasson novamente.

Para não fugir do tema, reflexos de uma amiga da Geraldine no centro de Sampa.
Para não fugir do tema, reflexos de uma amiga da Geraldine no centro de Sampa.

Guaecá

Andando pela areia avistei uma garrafa. Eu, míope, já pensei em uma mensagem antiga, jogada no mar por alguém dos Balcans (que fica perto da Bulgária, terra da minha amiga Valeriya Vasileva e que acabou levando nome Persa, e ai vou lembrar da Azadeh Karimzadeh, que tem os olhos mais lindos do mundo). Fiquei pensando que sempre quis conhecer o mar negro. Mas nada de mensagem pacificadora ou amorosa dentro do vidro. A garrafa, fechada, dava moradia a crustáceos bem bonitinhos, que ficaram meio alheios quando peguei a garrafa e joguei de volta pro mar.

Atravessei a praia pensando: o que será, será! E o vento soprou.