REcine 2012

A comédia é a estrela do REcine 2012 (Festival Internacional de Cinema de Arquivo). Cinema ao ar livre e de graça…coisas bonitas do Rio.

O primeiro filme a ser exibido hoje será “L’arroseur arrosé” (“O regador regado”), de 1896, dos irmãos Lumière. Na praça, no cair do sol. Vamos?

Com o objetivo de promover o debate sobre preservação, resgate e difusão de arquivos audiovisuais, bem como discutir políticas públicas nesse sentido, foi criado em 2002 o REcine, evento que acontece na sede carioca do Arquivo Nacional, uma das mais importantes instituições públicas de guarda de acervos audiovisuais do país.

RECINE 2012 – 11º Festival Internacional de Cinema de Arquivo
Humor no cinema
De 10 a 14 de dezembro, no Arquivo Nacional
Praça da República, 173 – Centro – Rio de Janeiro
Telefones: (21) 2179-1273 e 2220-9800
E-mails: recine@arquivonacional.gov.br e recine.rio@gmail.com
Entrada franca

Panorama 2012/Vivo Open Air/Jóquei Clube

Final de semana com poemas de Rodrigo Garcia, filme na tela gigante do Vivo Open Air e uma corrida de cavalos. Meu cavalo, “good love”, ganhou!!!!

No panorama 2012, a performance no Parque lage, na grama, foi surreal. World of interiors é uma performance/instalação que confronta o público com uma imagem inquietante: pessoas deitadas no chão, de olhos fechados, supostamente imóveis. O público, que pode entrar no espetáculo e sair dele quando quiser, precisa se aproximar dos performers para partilhar de seu mundo interior e ouvi-los sussurrar textos do dramaturgo Rodrigo Garcia. A criação é de dois atores portugueses, Ana Borralho e João Galante.

Cinema + praia

Ontem fui em Copacabana ver o primeiro filme de Hitchcock,  The Pleasure Garden, de1926. O filme é mudo e a trilha sonora original, de David Cohen, foi executada pela Orquestra Sinfônica Brasileira Jovem, regida pelo maestro inglês Christopher Austin. Lindo, lindo, lindo e bem na nossa frente. E hoje tem mais: 007 contra o Satânico dr. No. Sábado a festa fica por conta de O Palhaço de Selton Mello e domingo terá a animação Rio. Leve sua canga e vinho. Energia das boas com direito a grito coletivo e suspiros integrados. ps: o telão esta no posto 3, altura da Siqueira Campos.

o meu, o seu, o nosso Fellini.

A exposição sobre Fellini, sua obra, vida e genialidade, foi prorrogada no Instituto Moreira Salles. O que tu tá esperando? Um convite? Alguém que te leve? Uma coincidência? Pois bem, escolha sua história e corra!!! Imperdível. Pena que minhas amigas Burle Carpas não estão na fonte. Desconfio que elas foram parar em Roma.. É bobo, é clichê, mas ainda vou arrumar um moço e um gato picolo i bianco que topem fazer a cena da Fontana no melhor estilo Anita Ekberg.

Curiosidades: A cena de strip-tease e mesmo a da Fontana di Trevi de La Dolce Vita foram inspiradas em acontecimento reais muito bem fotografados por Paparazzos (e lá vem o Federico inventando nomes) na louca Roma do final dos anos 50.

http://youtu.be/5gAvsKcUfBs

Bergman no Rio

Cheguei em cima da hora e entrei. Sala lotada. Fiquei imaginando aquela primeira sequência colorida. Será que tinha tons de lilás? Talvez um pouco de vermelho… A mostra que começou hoje no CCBB vai até 10 de junho e traz cerca de 50 filmes do diretor sueco. Um Barco Para a Índia é o terceiro filme do cineasta, que o adaptou da peça homônima de Martin Söderhjelm. A história entre pai, filho e uma dançarina de cabaré é carregada de tensão. A pobreza física e emocional da moça me tocou. E uma frase, do pai, depois de descobrir que ficará cego está rondando a minha mente.

– A pior coisa não é ficar cego. […] É nunca ter visto nada.