Friends, friends, friends.

Flagra no Chicago History Museum. A Geraldine vai amar esta foto.

Conheci um povo muito do bem ontem. Athena + Stephanie + James = boas risadas. Ah, a Stephanie é uma super fotógrafa. Dá uma espiada nas fotos pra lá de bacanas da guria.

New friends. They’re amazing. Athena + Stephanie + James = Laugh a lot. Ah, Stephanie is a great photographer. Look her website. It’s very nice.

http://stephaniebassos.com/home.html

It’s a jungle out there. Museum of Contemporary Photography.

Em poucos dias me deparei com dois artistas em diferentes exposições, mas com um mesmo tema em comum. O domínio do sul da Africa pelos Belgas. Um pintor e um fotógrafo. Horror e beleza. Descaso e criatividade. Pobreza e luta. Luc Tuymans no Museum of Contemporary Art. E agora, Guy Tillim. Tristes imagens cheias de verdade e abandono. Inevitável a comparação. O primeiro belga, o segundo sul africano.

In a some days I realized two artist in different expositions, but with a common theme. The dominion Belgian in south of Africa.  A painter and a photographer. Horror and beauty. Neglect and creativity. Poverty and fight. Luc Tuymans in Museum of Contemporary Art. And now, Guy Tillim. Sad images full of true and abandonment. Inevitable comparison. The first Belgian, the second South African.

http://mocp.org/

Chicago Cultural Center.

Lugar lindo e cheio de vida. Exposição incrível de Vivian Maier. Fotógrafa nascida em New York em 1926, viveu boa parte da vida em Chicago e registrou o cotidiano da cidade em mais de cem mil negativos. Só após sua morte, em 2009, o mundo conheceu sua arte de observar.

Beautiful place!!! Amazing exposition by Vivian Maier. Photographer born in New York in 1926, lived some part of her life in Chicago and registered the city daily in over 100,000 negatives. Only after her death, in 2009, the world knew her observation art.

www.chicagoculturalcenter.org


Entre no site e conheça o projeto Onward!!!
By Vivian Maier
By Vivian Maier

Fotografia. Huis Marseille.

Lindo. O lugar é lindo. Poderia ficar horas sentada neste banco, olhando. Eu e a Geraldine andamos bastante para achar o museu de fotografia e valeu cada pedalada. Uma porta grande, antiga e fechada. Quando já estava praguejando por ter vindo no horário errado a porta faz um “abre-te-sezamo”, sozinha. Esqueço que mesmo os prédios mais antigos, as portas mais medievais estão suscetíveis às novas tecnologias. Depois de ser recebida pelo vácuo do corredor veio uma mocinha em minha direção e tenho quase certeza que ela me disse, em bom holandês, que o jardim nos fundos do prédio estava fechado para visitas. Bem, como eu não entendo holandês… a primeira coisa que eu fiz foi ir ao jardim..rs. Magnífico. Até dia 21 deste mês quem nos dá o prazer de suas fotos é a Dayanita Singh. Pela primeira vez na Holanda, a série de imagens da fotógrafa indiana é poesia em branco e preto. De três em três meses uma nova exposição, um novo artista e a sensação de estar flutuando no espaço tempo.

Beautiful. The place is beautiful. Could spend hours sitting on this bench, watching. Geraldine and I walked enough to find the museum of photography and worth every pedal stroke. A great door, old and closed. When I was cursing for coming at the wrong time the door is an “open-up Sezam” alone. Forget that even older buildings are susceptible to new technologies. After being received by the vacuum, a girl came running towards me and I’m pretty sure she told me, in good dutch, that the garden at the back of the building was closed to visitors. Well, as I don’t understand Dutch.. the firt thing I did was go to the garden… rs. Magnificent. Up to 21 days this month that gives us the pleasure of your photos is Dayanita Singh. For the first time in Holland, the series of images the Indian photographer is poetry in black and white.

Address: Keizersgracht 401.

www.huismarseille.nl