A Paris azul de Monet.

Escutar Rosa vendo os azuis de Monet. Correr pelos jardins de Tuileries só pra ter certeza que não faz como a Phoebe. Rir horas ao sol, sentados nas cadeiras verdes, ficar vermelho e depois ser salvo por guarda-chuvas coloridos. Escutar um casal de velhinhos tocando Edith Piaf, lembrar da Cilene e dar de cara com a Maria Cezária (essa é só pra quem fez FAC). Você é professora!.. gritei numa afirmativa no meio da calçada.  Sorvete Berthillon e vinho de 5 euros (sim Cami, eu sei, mas “é o que temos para hoje”rs). Picnic no Sena, aquele que queria ter feito anos atrás. Ir pro Pop In, se perder, se perder mais,  se achar e no fim só dançar as últimas 5 músicas que incluíam Thriller. Andar, correr, rir, perder a conexão, mas não perder a graça. E Châtelet fará parte de nossas vidas. E a Camila vai ter filhos Nerds lindos. E nas horas restantes, num impulso, entrar em um trenzinho com um bando de velhinhos e ver tudo, e ver colorido. E vocês me esperaram na Marche les Enfants Rouges. E vou ter os olhos de vocês pra me ajudar a lembrar. Obrigada Camila e Guilherme e Cecilia e Victor. Paris mudou pra mim. E acreditem, ela agora é incrível. Encontro vocês às 3h. Em algum lugar do mundo.

 

 

 

7 comentários sobre “A Paris azul de Monet.”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *