Vou-me embora pra Pasárgada… Hermitage Museum.

O poema de Manuel Bandeira era declamado quase toda a semana pela Yara, minha antiga colega de trabalho. Riamos muito quando ela, inspirada, levantava da cadeira, puxava a respiração e começava… “Vou-me embora pra Pasárgada; Lá sou amigo do rei; Lá tenho a mulher que eu quero; Na cama que escolherei”. Era uma belezura. Pois sábado fui no Hermitage museum e quase gritei quando me dei conta que o rei do poema era Alexandre – O Grande. Sim, ele conquistou Pasárgada e muitas outras cidades criando um grande império. A exposição sobre ele está ótima e vai até 18 de março de 2011. Entre moedas, pinturas e estátuas descobri que Heracles (Hércules, para os íntimos) fez os dozes trabalhos porque matou a mulher e os filhos. Alexandre era fá deste semi-deus. Também descobri que o grande amor do imperador era um homem, Heféstion. Ele foi vice-comandante de suas tropas. Alexandre contribuiu, e muito, para a difusão da cultura grega. Do Egito à Pérsia. Suas conquistas aproximaram Ocidente e Oriente, dando origem a uma nova cultura, a helenística, resultado da mistura das culturas ocidental e oriental. Um grande guerreiro que se inspirou em Alexandre foi Júlio César. Sempre pensei nessa ligação e, claro, descobri isso lendo Asterix e Obelix. (Ah, agradecimentos especiais ao Elano que me apresentou o museu e aguentou os meus comentários óbvios…rsrs).

Alexandre - O Grande.

http://www.hermitage.nl/en/