Os licores da travessa…

O lugar mais parece a entrada de um túnel do tempo. “Wijnand Fockink”, sim eu sei, um belo palavrão, mas na verdade é o nome do ‘boteco’ mais antigo de licores do mundo (provavelmente). Data de 1679, é escuro, cheio de garrafas, algumas, possivelmente, de 1600 e tanto. Não duvido que as senhoras que servem o licor sejam tataratataranetas dos tataranetos dos fundadores. Até onde entendi, esta pequena salinha, onde podem ser provados dezenas e dezenas de licores em pequenas tacinhas de vidro que nunca são lavadas (explico este detalhe a seguir), era a sala de degustação de uma antiga destilaria. O lugar continua intacto e fica em uma ruela estreita perto da Dam Square (Pijlsteeg 31, tel: 639 1926 1995). Em cima do balcão de madeira maciça e escura onde são servidos os licores tem um tipo de tonel com água corrente e é lá que as moças do lugar mergulham as tacinhas. Sim, somente na água e é assim há mais de 300 anos, nem se atreva a fazer qualquer comentário sobre vigilância sanitária ou germes. A tradição manda que você vá até a tacinha transbordante e tome o primeiro gole ali mesmo no balcão. O licor de maça é incrível, mas são tantos que nem me atreveria a sugerir o mais mais. Vá no final da tarde, pegue sua taça, pague na hora, vá para a frente do estabelecimento (adoro escrever estabelecimento..rs), sente na mureta e aproveite cada gole porque a noite é uma criança…(esse ditado sempre me pareceu estranho, essa coisa de ‘a noite é uma criança’. Se ela é uma criança dorme cedo e não vê nada, não!?).