Parque Lage

Acho que já mencionei o Parque Lage aqui no blog, mas com o passeio que fiz ontem, penso que o lugar, que data de 1811, merece um post pra chamar de seu. Aos pés do morro do Corcovado, os 52 hectares de natureza exuberante, ao longo destes dois séculos, passaram pelas mãos de alguns magnatas. Em 1920, o parque é re-adquirido por Henrique Lage, neto de Antônio Martins Lage, antigo proprietário e tem sua reforma encabeçada pelo arquiteto italiano Mario Vodret. Já a esposa de Henrique, Gabriela Bezanzoni (que não era ruiva*) dava o tom musical  e social à mansão, convidando a elite carioca para suas festas e saraus – a moçoila era cantora Lírica. Uma boa surpresa foi descobrir que a escritora Marina Colasanti morou por ali, pois é sobrinha neta de Gabriela. Em meados dos anos 60 a propriedade foi desapropriada e convertida em parque público, hoje, no palácio, funciona a Escola de Artes Visuais do Parque Lage. Alias, a exposição “Para o silêncio das Plantas” de João Modé, que vai até 11 de março, vale a pena ser visitada. O projeto propõe uma intervenção com trilhas no meio do mato e música tocando intercaladas com o silêncio.

* Ano passado tive o prazer de explorar um pouco do parque com grandes amigas. Após descobrir a história de amor entre Henrique e Gabriela, ficamos elaborando várias conspirações românticas e tínhamos aquela certeza absoluta, aquela que só quem tem são os amantes de mistérios descabidos, histórias em quadrinhos e filmes do Hitchcock, que a cantora lírica era ruiva. Uma das histórias que descobri é que depois que casou, Gabriela não cantou mais em público. Só pra ele?

Pixar do Parque Lage
Pixar do Parque Lage
As trilhas de João Modé
As trilhas de João Modé